Archive for the 'Encontros e Temas' Category

Pecado – 06/06/2010

Deus nos deu o livro arbítrio, dando total liberdade para fazermos nossas escolhas, mas muitas vezes usamos essa liberdade de modo errado caindo no pecado.

O pecado é o rompimento com Deus, é tudo aquilo que esta contra a lei de Deus.  O pecado faz tanto mal que Jesus veio para tirar os pecados do mundo “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo “. A conseqüência de nossos pecados é Cristo pregado na cruz.

Leitura Proposta:  Gênesis: 3, 1-23

Como Eva teve a tentação da maça, também temos muitas tentações, ela sabia que Deus tinha proibido o fruto da arvore e mesmo assim ela o comeu. Por meio de Moises sabemos as leis de Deus e mesmo assim ainda caímos na tentação de desobedecermos.

 Todas as vezes que desobedecemos às leis de Deus estamos pecando. São João Disse: “ Aquele que diz que não peca esta mentindo.

Os Mandamentos da lei de Deus são:

 Os Dez Mandamentos da lei de Deus

 1.      Amar a Deus sobre todas as coisas; O primeiro mandamento fala para o homem acreditar em Deus, a esperar nele e a amá-lo acima de tudo.

2.      Não Tomar seu santo nome em vão; O segundo mandamento prescreve respeitar o nome do senhor, o nome do senhor é santo.

3.      Guardar domingos e festas; No domingo e em outros dias de festa de preceito, os fieis têm a obrigação de participar da missa, evitando as atividades e negócios que impeçam de estar em oração com Deus, a alegria própria do dia do Senhor e o devido descanso da mente e do corpo.

4.      Honrar pai e mãe; Os filhos devem a seus pais respeito, gratidão e obediência. O respeito favorece a harmonia de toda a vida familiar.

5.      Não Matar; Toda vida humana, desde o momento da sua concepção até a morte, é sagrada porque a pessoa humana foi criada por si mesmo a imagem e semelhança do Deus vivo e santo. Só Deus é dono da vida, ninguém em nenhuma circunstancia pode reivindicar para si o direito de destruir um ser humano inocente.

6.      Não pecar contra a castidade; Não devemos tratar o nosso corpo como um corpo qualquer na Terra, mas sim como templo do Espírito Santo de Deus.

7.      Não Furtar;

8.      Não Levantar falso testemunho; A mentira consiste em dizer o que é falso com a intenção de enganar o próximo, que tem direito a verdade. Mentiras que consideramos leves podem magoar pessoas de um jeito irreversível.

9.      Não desejaras a mulher do próximo; Devemos ser fiel com nossa esposa, e com os nossos irmãos, devemos respeitar a união deles e assim não criar um ambiente de ódio e inveja.

10.  Não cobiçar as coisas alheias; Devemos dar valor às coisas que temos, e não invejarmos as coisas dos outros. E batalharmos por aquilo que realmente precisamos.

Se o pecado é o rompimento precisamos de uma reconciliação, algo que nos aproxime de Deus novamente e nos purifique de nossos pecados. Por isso que Jesus deixou o sacramento da reconciliação, ele sabia que a nossa fraqueza nos levaria ao pecado.

“ Os pecados daqueles que perdoardes serão perdoados. Os pecados daqueles que não perdoardes não serão perdoados “   (Jo 20,22-23)

Este sacramento não só concede a remissão dos pecados, como também leva a uma verdadeira ressurreição espiritual. Quem se confessa com o desejo de progredir não recebe apenas o perdão de Deus e a graça do Espírito Santo, mas também a luz preciosa para o caminho da perfeição.

Para uma boa confissão é necessário o arrependimento e o exame de consciência, o exame de consciência é o primeiro passo para a confissão é quando paramos para analisar tudo o que fizemos, vendo se fugimos das leis do pai, o arrependimento é extremamente necessário, pois quando nos confessamos estamos dispostos a nos esforçarmos ao Maximo para não cometermos os mesmos pecados novamente.  Depois da confissão vem a penitencia que traz a exigência de um esforço pessoal e eclesial de conversão e arrependimento e assim temos o perdão pela absolvição sacramental dos pecados, Deus concede o perdão e a paz.

Violência – 30/05/2010

Texto em fase de revisão… Aguardem… =)

Liberdade – 23/05/2010

Liberdade, nada mais é do que o nosso poder de escolha.

O Ser Humano é livre diante de Deus e diante dos homens.

 Deus nos da escolha da Liberdade, quando nos da o Livre arbítrio, sendo assim o homem é livre para viver do modo que bem entender.

 Se não fossemos livres, não seriamos o “POVO DE DEUS”, seriamos o “POVO ESCRAVO DE DEUS”.

 A nossa liberdade termina aonde começa a liberdade do outro.

 Olhando para os dias de hoje, você pode perguntar, onde esta a liberdade, se tudo que tenho a minha frente é colocado.

A Liberdade está nas nossas escolhas.

 E as escolhas fazem parte do nosso dia-a-dia, com nossas escolhas construímos o caminho que seguimos.

Ser livre, poder ir e vir, fazer o que quiser.

 Não é bem assim, como disse nossa liberdade vai até onde começa a do outro.

 A cada escolha em nossa vida. 

  • A escolha de Maria, “O SIM”. (Lc 1, 26-38)

 As nossas escolhas têm conseqüências em nossas vidas, e de acordo com cada escolha viveremos nossas conseqüências.

Escolher entre o Azul e o Amarelo, entre o Azul e o Vermelho, é uma escolha minha, com essa escolha eu abri mão de outras três coisas, e assim os nossos dias.

Quando fazemos uma escolha, abrimos mão de outras, e nossa liberdade de escolha nos torna livres, eu posso ir ou não a crisma, eu posso ser ou não crismado, eu posso ir à missa ou não.

 São todas escolhas. Deus não nos obriga a nada, Ele coloca a sua frente à possibilidade de escolha, Ele te apresenta caminhos, mas vai de você seguir ou não.

 Quando Jesus chamou Simão (Pedro), Simão poderia dizer não, falar não eu não vou, com tantos esses peixes aqui, deixar tudo isso e ir com você Jesus, Desculpa, mas eu não vou. Ele poderia ter dito isso.

 Maria poderia ter dito não ao Anjo Gabriel. Não existem milhares de jovens por ai, porque logo eu? Não procura outra pessoa, eu estou pra casar e isso pode me levar até mesmo a morte.

 Os apóstolos tiveram a Escolha de ficar em Jerusalém esperando o dia de Pentecostes, eles poderiam ter fugido pois eram perseguidos, eles poderiam ter desistido das coisas que Jesus ensinou, mas eles permaneceram firme até o dia em que o Espírito Santo veio sobre eles.

 Adão e Eva tiveram a escolha de fazer o certo e o errado, e eles pecaram contra Deus, não vejam esse pecado, como o pecado sexual, mas sim como o pecado do ROMPIMENTO, com o pecado da desobediência, é romper com Deus, Isso é o Pecado, toda vez que rompemos com Deus.

 A Igreja não te impõe regras, ela apresenta o que é melhor para vivermos no caminho de Deus, você tem toda a Liberdade de aceitar ou não o que a Igreja Acata como sendo o caminho, você tem essa Liberdade, você faz a escolha, você esta aqui hoje, porque escolheu, a igreja não foi até sua casa te buscar e falar, olha você vai ter que fazer a Crisma, não isso vem de você, é sua escolha de estar mais próximo do caminho de Cristo.

 E em todas as nossas escolhas na vida, devemos pensar nas conseqüências, se você deixa de escolher, o tanto faz, também tem suas conseqüências, sempre que você tiver que fazer escolha, peça a Deus, que mande o Espírito Santo sobre você para que faça a melhor escolha.

Ser Gente – 16/05/2010

O que nos trás a pensar em ser gente hoje?

Como viver no mundo em que estamos?

 Durante essa caminhada que demos, paremos e pensemos em tudo que vimos…

 Amizade, Namoro, Família, Drogas, Perdão, Missa, Semana Santa…

 Todos tendo uma ligação sobre a pessoa que somos e que queremos ser.

 Podemos falar de todos os temas, se não tivermos comprometimento e buscar viver na pratica tudo o que falamos, cada palavra se torna vazia.

 E façamos uma ligação de tudo o que falamos até hoje, e pensemos no que devemos fazer para ser “GENTE” aos olhos desse mundo?

 O que esperamos para o nosso futuro?

 Quero caminhar em que caminho? No de Deus ou no do Mundo?

 Posso fazer uma ligação entre esses dois mundos?

 Ser Gente é:

AMAR, SONHAR, GOSTAR, VIVER, APRENDER, PENSAR NO FUTURO, TER MEDO, SOFRER 

Tudo nos prepara para encararmos o mundo que temos pela frente, mas quem melhor para nos dizer como seguir do que o próprio Criador?

 Então hoje, pensemos como nos prepararemos para o futuro?

 Quais são os meus sonhos? Quais são os meus medos?

 Quais os meus planos de vida? O que tenho que fazer para alcançar meus sonhos?

 Onde eu me vejo daqui a 10 anos? Fazendo o que?

 Construímos dia após dia a pessoa que somos, com traços do nosso passado e do nosso presente, moldando assim o nosso futuro.

  • Para trabalhar esse tema, vamos separar a sala em três ou dois grupos, dependendo do numero de crismandos. Pedir para que em uma folha escrevam todos os sonhos e medos do grupo.
  • Em uma segunda folha escrever os planos do seu futuro.
  • Na mesma folha dos planos, escrever o que devo fazer para alcançar os meus sonhos.
  • Em outra folha, Qual caminho devo seguir? Mundo ou Deus? Tenho como fazer uma ligação entre os mundos?

 “Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo: Não temas, eu te ajudo.”
Isaías 41.13

 “Ele dá força ao cansado, e multiplica as forças aos que não têm nenhum vigor. Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os moços certamente cairão.Mas os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias, correrão, e não se cansarão.”
Isaías 40. 29-31

“Vinde a mim todos os que estão cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Sejam meus seguidores e aprendam comigo, que sou manso e humilde de coração,e encontrem descanso para vossas almas.”
Mateus 11. 28-30

  • Meditem esses três trechos bíblicos com eles, se preferirem, peçam para analisar em grupo… para que depois vocês possam fazer a ligação desses textos.

 Meus irmãos… O tema de Hoje esta aberto, pois se trata de um tema muito amplo, em sentidos de ser alguém, não só no contexto religioso, mas no contexto Cidadão, se bem que toco católico deve ser cidadão, e isso vocês devem passar a eles.

A questão de trabalhar medos, sonhos, planos e tudo mais, é algo que vai levá-los a conhecê-los melhor.

 O tema é próprio, pois devemos ser pessoas não só de palavras, mas também de atos…

Levantem a idéia que esse tema, não esta definido, que haverá continuação no Sábado dia 22, quando iremos para a capela de Todos os Santos, para deixar tudo organizado para dia 23 onde ocorrera a primeira celebração ali.

Drogas – 09/05/2010

Agradecemos à presença do tio Edi que, com muita solicitude, nos deu uma palestra, um testemunho de vida sobre o que são as drogas, o que elas causam no ser humano e o quanto Deus é importante na recuperação desse vício. 

Ele é um exemplo de vida onde todos nós devemos nos espelhar!

Obrigado tio Edi!

Namoro – 02/05/2010

O que é ficar?

É usar alguém para meu prazer, ficar com alguém sem laço nenhum, sem querer se envolver.

É usar o outro apenas para me satisfazer por um momento.É certo ou errado ficar? Quando você fica com alguém sem sentimento, sem laço, sim é errado, pois, você esta usando a pessoa, e onde esta o amor quando se usa alguém? esse é apenas o amor próprio e não pelo próximo.Agora se falarmos do ficar, depois que as pessoas já tem uma historia, onde já envolve um sentimento entre o casal, onde surge o primeiro beijo entre o casal, esse ficar é saudável, pois não é para usar ninguém, mas sim o passo que antecede o namoro.

 

O que é o namoro?

É conhecer o outro, é estar mais ligado, é buscar aquele complemento, é pensar sim no futuro, o namoro bom é aquele que você pensa no futuro, e não apenas no agora.O namoro tem que te fazer melhor, o estar junto deve te completar e nunca te deixar chateado, abatido o tempo todo.Tudo tem seu tempo, e o namoro é o tempo de se conhecer, de estar junto, de ter alguém mais próximo de ti, alguém com quem se pode contar, alguém que esta do lado o tempo todo, ter aquele carinho sem medida, é sentir a falta quando o outro acabou de sair do seu lado.Não se deve ter pressa.Por isso digo, um bom namoro nasce de uma boa amizade, pois, o laço já existe e esta sendo amadurecido.

 

O que devo e o que não devo no namoro?

Para iniciar esse trecho do texto analisemos tudo o que já foi dito antes e lembremos, que o namoro, ele tem uma finalidade, que é o matrimonio. Se o namoro não me faz bem, me deixa mais triste que alegre, não se deve ter medo de dar um fim e continuar a amizade, não devemos jamais viver os sentimentos por comodismo, pois assim, estamos deixando a pessoa presa a nós enquanto ela poderia estar buscando alguém, da mesma forma que nos prendemos a esta pessoa e nos fechamos ao mundo, e assim acaba vivendo um namoro na tristeza. A parte mais bonita da palavra Namoro é que tem como centro o AMOR… nAMORo, é através do amor e do carinho que se pode viver um bom namoro, lembrando sempre de suas limitações.

 

Então o que pode no namoro?

Pode conhecer o outro, saber como ele pensa, ver o que ele espera do futuro, ver os defeitos e qualidades da pessoa.Pode namorar, ter aquele carinho, pegar na mão, abraçar, beijar, ter aquele momento de vocês, mas nunca exageradamente.Tudo pode, mas nem tudo te convém.

Tem coisas que só cabe ao casamento que é um grande exemplo o Ato Sexual. Uma pessoa que quer viver um namoro santo, um namoro casto, respeitando assim o outro e a si mesmo vai perguntar se deve ter relações sexuais com seu namorado(a). Tem coisas que estão reservadas apenas para certo momento, e o ato sexual esta reservado para o matrimonio, que é sobre as bênçãos de Deus.

Quando deve ser vivido a experiência do Sexo?

A “lei de Deus” “contida nos dez mandamentos” afirma que o sexo só deve ser vivido no matrimônio; não há outro lugar para a vida sexual. “A mulher não pode dispor do seu corpo: ele pertence ao seu marido. E também o marido não pode dispor do seu corpo: ele pertence à sua esposa” (1 Cor 7,4). Note que São Paulo não fala em namorados e noivos, mas esposa e marido.

O namoro não existe para que vocês conheçam os seus corpos… mas as suas almas. Um namoro puro só será possível com a graça de Deus, com a oração, a vida sacramental, a reza do Terço, com a vigilância e, sobretudo, quando os dois quiserem se preservar um para o outro. Será preciso, então, evitar todas as ocasiões que possam facilitar um relacionamento mais íntimo. O provérbio diz que “A ocasião faz o ladrão”, e que “Quem brinca com o perigo nele perecerá”. Se você sabe que, naquele lugar, naquele carro, naquela casa, etc., a tentação será maior do que suas forças, então, fuja desses locais. Essa é uma fuga justa e heróica.

 

Para pensar no Namoro:

Seu namoro esta bem ou mal?

Eu fico mais feliz com meu namoro?

O que faço no meu intimo na hora do namoro? Agradeço a Deus pelo namoro? Não vejo a hora de terminar? Da vontade de ficar mais com ele(ela)?

 Ele (o namoro) me completa

Olho o outro e sou corresponsável pela vida dele?

Ele(Ela) é a pessoa certa?

Sou alegre no namoro?

Me  afasto das Pessoas que estão em nossa volta?

Nós só sabemos o valor da alegria quando conhecemos o sofrimento, e assim também é o namoro, deve se ver que nem sempre será um mar de rosas, mas que os momentos bons vão compensar os sofrimentos que passaram.

Onde procurar a pessoa certa? Procurando em lugares saudáveis, não vai procurar em qualquer lugar, tem que procurar no lugar certo, ver os valores, e pra procurar um namoro você tem que conhecer a pessoa, e por isso digo que tem que ter amizade, e digo mais, a amizade é um sentimento que deve estar em todos os nossos relacionamentos, amizade na família, amizade na amizade e amizade no namoro.Você não deve tentar acertar, deve deixar acontecer, esperar o tempo de Deus.

As tentações estão por toda parte, seja em uma novela, uma musica, em uma revista, na escola, no trabalho, nas roupas… o mundo esta girando em torno da sexualidade…

E o controle depende de cada um de nós…Dizer NÃO, não é ser chato, não é ser ultrapassado, mas Sim ser de Deus, rejeitar aquilo que não te faz bem.

E esse ponto nos traz a Sexualidade.

Nosso corpo é o TEMPLO SANTO DE DEUS, pois, Deus habita em cada um de nós.E quando falamos em ato sexual claramente nos vem um mandamento na cabeça.

6º Mandamento: Não pecar contra castidade.

Que não nos fala apenas sobre o ato sexual, mas sim sobre os pecados do corpo, as agressões que fazemos ao templo de Deus.Deus deu ao casal humano a missão de gerar os filhos: “crescei e multiplicai” (Gen 1, 28), providenciou o sexo como instrumento de procriação. E mais, para fortalecer a união e o amor do casal, fez do sexo também o meio mais profundo da “manifestação” do amor conjugal. O ato sexual é a “celebração do amor conjugal”, como que a “liturgia do casal”.

Quem tem uma relação sexual com uma prostituta está preocupado apenas com o prazer, e não tem qualquer compromisso com ela. Acabada a relação, paga-se e vai-se embora. Não importa se amanhã esta mulher está grávida, doente, ou passando fome, não lhe interessa, ele pagou pelo “serviço”. Veja, isso é sexo sem amor, sem compromisso de vida, sem uma “aliança”, sem responsabilidade. É o desvirtuamento do sexo, a prostituição. Quantos hoje vivem uma “aventura amorosa” com uma pessoa, e depois a esquecem, a abandonam…

No plano de Deus o sexo é diferente, é manifestação do amor conjugal; cujo fruto será o filho do casal. Na fusão dos corpos se celebra profundamente o amor de um pelo outro: a compreensão recíproca, a paciência exercida, o perdão dado, o diálogo mantido, as lágrimas derramadas… é a festa do amor conjugal. Por isso, o ato sexual é o ato “fundante” da vida do filho. O ser humano não pode ser gerado na parede fria de um tubo de ensaio de um laboratório, mas no ato amoroso dos seus pais.

Assim, no plano de Deus a vida sexual só tem lugar no casamento. São Paulo há dois mil anos já ensinava aos coríntios:

“A mulher não pode dispor do seu corpo: ele pertence ao seu marido. E também o marido não pode dispor do seu corpo: ele pertence à sua esposa” (1 Cor 7,4). O apóstolo não diz que o corpo da namorada pertence ao namorado, e nem que o corpo da noiva pertence ao noivo.

A união sexual só tem sentido no casamento, porque só neste existe um “comprometimento” de vida conjugal, vida a dois, no qual cada um assumiu um compromisso de fidelidade com o outro, para sempre, diante da comunidade e diante de Deus. Cada um é “responsável pelo outro” até a morte, em todas as circunstâncias fáceis e difíceis da vida. Sem este “compromisso de vida, até que a morte os separe”, o ato sexual não tem sentido, torna-se vazio e perigoso. E por conseqüência disso, estamos vendo meninas de 13, 14 anos, grávidas, sem o menor preparo e maturidade para serem mães.

As conseqüências do sexo vivido fora do casamento são terríveis: famílias destruídas, mães e pais solteiros; filhos abandonados, ou em orfanatos. Muitos desses se tornam “meninos de rua”, cada vez mais numerosos, muitas vezes, buscando nas drogas e no crime a compensação de suas dores.

Outra razão importante para se viver a castidade antes do casamento, é que com isso o jovem se educa, se domina, treina o seu corpo e a sua mente para uma vida futura de fidelidade a seu esposo ou esposa. Aquele que se acostumou à pratica sexual no namoro, antes do casamento, dificilmente se conformará em viver o sexo com a mesma pessoa para sempre. E aí vem o adultério e a destruição do lar. Este é o preço do sexo antes do casamento. Por outro lado, um jovem que aprende a se manter casto até o casamento, prepara a sua vontade e exercita seu autodomínio para ser fiel ao seu cônjuge durante o matrimônio, e assim, construir uma família forte e saudável.

O ato sexual significa que cada um pertence ao outro, livremente, para sempre. Será que é possível isso no namoro? Pois o ato sexual, – para não ser desvirtuado –, deve sempre estar aberto à geração da vida, sem que isso seja impedido por meios artificiais.

Ou seja, quando você tem relações com a pessoa você casa com ela diante de Deus e todas as pessoas que virem depois será adultério.

O ato sexual é o selo do amor de um casal que se comprometeu com o outro para sempre.

Para tudo existe a hora certa, na qual as coisas acontecem com equilíbrio e com as bênçãos de Deus. Eu sei que esta proposta não é fácil, mas eu quero dizer que é muito bela. Eu sei que o mundo lhe diz exatamente o contrário, pois ele não quer “entrar pela porta estreita” (Mt 7, 14), mas esta é que conduz à vida.

 

Homossexualidade

Que diz a Bíblia sobre a homossexualidade? A Bíblia diz em Romanos 1, 26-27 “Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.” É a homossexualidade um pecado? A Bíblia diz em Levítico 18, 22 “Não te deitarás com varão, como se fosse mulher; é abominação.” A Igreja não condena, nem sequer discrimina os homossexuais porém os chama a viver o estado de vida da Castidade. A Organização Mundial da Saúde não define DOENÇA  a Homossexualidade como dizem alguns. A Igreja não diz que é doença.

 

O que Deus diz sobre o Homossexualismo?

Deus abençoou o homem e a mulher e lhes deu o mandamento de serem fecundos e multiplicarem-se (Gn 1, 28). A sociedade atual está cada vez mais perdendo de vista o princípio que Deus definiu para a união sexual entre os seres humanos: um homem e uma mulher, unidos pelo compromisso eterno do matrimônio. O propósito de Deus é que o homem junte-se com a mulher e os dois formem “uma só carne” (Gn 2, 24), constituindo-se numa família, na qual os filhos poderão ser educados em meio a um ambiente sadio e livre de preconceitos.

Este ideal está totalmente corrompido na sociedade moderna, e as relações sexuais passaram a ser apenas um meio de obter prazer a qualquer custo, sem atentar para as orientações dadas por Deus no passado, e para os perigos de não seguir estas orientações. A atual sociedade já aprendeu a conviver pacificamente com o outrora chamado “pecado grego”, vendo os homossexuais como apenas “um pouco diferentes”.

Deus condena o homossexualismo porque ele é totalmente contrário ao propósito original das relações sexuais. Tanto o Judaísmo quanto o Cristianismo sempre reconheceram esse fato, defendendo que o homossexual está sob a condenação de Deus.

A Missa – Parte II – 25/04/2010

Liturgia Eucarística

“Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo. Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos, porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.”

(Mt 26, 26-28) 

 

É o momento no qual, relembrando o santo sacrifício de Cristo, apresentam-se o pão e o vinho que, durante a Oração Eucarística, por meio do Sacerdote, irão se tornar (transubstanciar no) o Corpo e Sangue do Senhor. É na liturgia eucarística que encontramos o ponto mais alto da nossa Fé.

                A apresentação dos dons: Retoma o gesto de Jesus: “Tomou em seguida o pão…Tomou também o cálice…” Em procissão entram o pão, o vinho e, junto com eles, a oferta, o dom de cada pessoa que também é elevado em tal procissão.

                Preparação dos dons oferecidos: Ao receber as ofertas do pão e do vinho, o presbítero que preside a celebração eleva o pão, a voz e o olhar ao céu e diz: “Bendito sejais, Senhor, Deus do universo, pelo pão que recebemos de vossa bondade, fruto da terra e do trabalho humano, que agora vos apresentamos e para nós vai se tornar pão da vida”. E faz o mesmo com o vinho:  “Bendito sejais, Senhor, Deus do universo, pelo vinho que recebemos de vossa bondade, fruto da videira e do trabalho humano, que agora vos apresentamos e para nós vai se tornar vinho da salvação”. A semente sepultada foi capaz de gerar vida nova; o trigo decepado e triturado se tornou pão e vida para os que dele comem. É esse o sinal assumido por Jesus Cristo.

                Orai, irmãos e irmãs: Após a preparação das ofertas reza-se para que Deus as receba, acolha e as aceite, primeiro para a glória de seu nome, depois para o próprio bem da assembléia reunida, para a vida e salvação de cada um e de toda a humanidade.

                Oração sobre as Oferendas: Oração, a convite do celebrante, para que o sacrifício oferecido seja aceito por Deus.

                Prefácio e Oração Eucarística: Após a oração sobre as oferendas inicia-se a Oração Eucarística: a grande bênção da Igreja. É considerada como centro e ápice de toda a celebração, prece de ação de graças e santificação. Embora presidencial, o sentido dessa oração é que toda a assembléia se una a Cristo na proclamação das maravilhas de Deus e na oblação do sacrifício. Porém, antes de iniciar a Oração Eucarística, reza-se o prefácio, que eleva o coração de toda a assembléia ao Senhor, em prece e em ação de graças; Em nome de todo o povo, glorifica a Deus Pai e lhe dá graças por toda a obra da salvação ou por qualquer aspecto particular seu; e, após breve introdução sobre o mistério eucarístico, toda a assembléia, unindo-se às criaturas celestes, canta ou recita o Santo.

Santo, Santo, Santo: A assembléia, agradecida e cheia de admiração, proclama a santidade do Senhor e a vinda gloriosa de Jesus, o Messias, o bendito que veio e que vem incessantemente. É um dos cantos mais importantes e centrais da Prece Eucarística, que convida a unir a comunidade ao eterno louvor entoado pelo coro dos anjos e dos santos.

Invocação (Epiclese) do Espírito Santo: Continua a Ação de Graças com uma grande prece proclamada pelo presidente da assembléia em nome de todo o povo. Mesmo que seja normalmente proclamada pelo presbítero, exige a participação consciente dos fiéis, pois é oração da Igreja reunida para celebrar o mistério de Deus. É memória-presença da entrega de Jesus: sua Morte-Ressurreição, que aconteceu uma única vez, torna-se presente para o povo pela ação litúrgica, ou seja, toda vez que se faz memória desses fatos salvíficos.

Doxologia Final: É a aclamação mais importante de toda a celebração, é o ponto culminante da Liturgia Eucarística. É uma síntese de tudo o que foi dito até aquele momento; É a expressão de nossas vidas vividas em louvor e gratidão a Deus, por Cristo, com Cristo e em Cristo, na unidade do Espírito Santo! Deve ser impressionante, jubilosa, repleta de profunda admiração e gratidão por tudo que Deus é e faz por todos.

 

Rito de Comunhão

“O cálice de bênção, que benzemos, não é a comunhão do sangue de Cristo? E o pão, que partimos, não é a comunhão do corpo de Cristo? Uma vez que há um único pão, nós, embora sendo muitos, formamos um só corpo, porque todos nós comungamos do mesmo pão.”

(I Cor 10, 16-17) 

 

Pai Nosso: é um prolongamento do louvor da Oração Eucarística. Rezando juntos, os Cristãos deixam de lado as desavenças, perdoando as ofensas feitas, relativizando as diferenças. É uma ponte que une dois grandes momentos: o da Prece Eucarística e o da Ceia. Nos tornamos prontos a receber o corpo de Cristo quando pedimos o perdão de nossos pecados e perdoamos as pessoas que nos ofenderam, de modo que não carreguemos rancor ou ódio contra alguém.

Abraço da Paz: Sinal de união, reconciliação e desejo de bem estar social para o próximo. Pode ser levado para o final da celebração, afim de não criar muita algazarra enquanto é vivenciado o momento da fração do pão e rezado (ou cantado) o cordeiro de Deus.

Fração do Pão: É um dos gestos constitutivos da ação eucarística que lembra o que foi realizado por Jesus na última ceia. É realizado enquanto se canta o Cordeiro de Deus. É uma ação ritual visível, acompanhada com este canto, o qual pertence à assembléia e, por isso, não deve ser proferido pelo celebrante.

Cordeiro de Deus: A simbologia do cordeiro é extremamente bíblica, sobretudo como vítima sacrificial. Remonta às experiências fundamentais do povo de Israel. Os povos nômades sacrificavam ritualmente cordeiros e usavam seu sangue como sinal de purificação física e espiritual. O novo testamento assume essa simbologia pascal do Antigo, identificando Cristo como cordeiro sem mancha, que é sacrificado para a remissão dos nossos pecados e para a salvação do mundo.

Distribuição da Comunhão: Após a consagração/eucaristização do pão e do vinho em Corpo de Sangue do Senhor, estes voltam para as mãos do povo, repartidos e oferecidos em comunhão. Esse momento busca a finalidade de entrar em sintonia agradecida com o dom de Cristo, responder interiormente com fé e amor à doação do corpo e sangue de Cristo; expressar que isso acontece no âmbito da ação eclesial, e não só em termos de devoção pessoal. Após comungar não se deve ajoelhar e sim sentar-se (se possível) e refletir um momento de silêncio e oração.

Purificação dos utensílios: feita após a comunhão, é usada para não deixar que nenhuma partícula do corpo ou gota do sangue de Cristo seja esquecida dentro das âmbulas e cálices. É realizada entre a comunhão e a oração depois da comunhão. Oportunamente, durante o canto de ação de graças.

Oração depois da Comunhão: É a oração pelo qual se pede, com freqüência, ao Senhor que os frutos da comunhão sejam eficazes e duradouros para todos.

 

Ritos Finais

“Anunciar o Evangelho não é glória para mim; é uma obrigação que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho! Se o fizesse de minha iniciativa, mereceria recompensa. Se o faço independentemente de minha vontade, é uma missão que me foi imposta. Então em que consiste a minha recompensa? Em que, na pregação do Evangelho, o anuncio gratuitamente, sem usar do direito que esta pregação me confere. Embora livre de sujeição de qualquer pessoa, eu me fiz servo de todos para ganhar o maior número possível. Para os judeus fiz-me judeu, a fim de ganhar os judeus. Para os que estão debaixo da lei, fiz-me como se eu estivesse debaixo da lei, embora o não esteja, a fim de ganhar aqueles que estão debaixo da lei. Para os que não têm lei, fiz-me como se eu não tivesse lei, ainda que eu não esteja isento da lei de Deus – porquanto estou sob a lei de Cristo -, a fim de ganhar os que não têm lei. Fiz-me fraco com os fracos, a fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, a fim de salvar a todos. E tudo isso faço por causa do Evangelho, para dele me fazer participante.”

(I Cor 9, 16-23)

 

Tem como principal objetivo despedir os fiéis exortando-os a retornarem para suas casas louvando e bendizendo ao Senhor, e para que sejam, durante a semana, testemunhas-discípulos e discípulas de Cristo, vivendo a caridade nos seus atos e pregando a Palavra a seus semelhantes.

                Benção Final: O celebrante despede a comunidade desejando que o Senhor continue renovadamente presente em sua vida, comunicando-lhe sua paz. A benção pode ser simples ou solene, conforme o tempo litúrgico e segundo os vários modelos apresentados no Missal Romano.

                Despedida e canto de dispersão: Concluída a benção, o presidente da celebração ou o diácono despede-se da assembléia. A missa terminou. Agora todos são convidados a começar a evangelização. Inicia-se o canto de dispersão e, enquanto esse é executado, todos devem se dispersar cantando-o, reconhecendo que agora é iniciada a missão de proclamar a Boa Nova a todos os irmãos.



Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.